Mercado e gestão dominaram debates no segundo dia de Fóruns na Abertura da Colheita do Arroz

Exportações do arroz, avanços na produção e empreendedorismo estiveram na pauta do evento em Capão do Leão

O presidente da John Deere Brasil, Paulo Renato Herrmann, foi uma das atrações do Fórum Mercadológico da 30ª Abertura Oficial do Arroz, na tarde desta quinta-feira, 13 de fevereiro, na Estação Experimental Terras Baixas da Embrapa Clima Temperado, em Capão do Leão (RS), Ajustar a oferta e adequar os custos de produção foi a principal mensagem do dirigente aos produtores do setor orizícola no evento promovido pela Federação das Associações de Arrozeiros do Rio Grande do Sul (Federarroz).

Para Herrmann, os produtores gaúchos devem ser cumprimentados pelo avanço da eficiência das suas lavouras nas últimas décadas. "Vocês são muito bons. Hoje são 180/200 sacos por hectare", parabenizou. "Mas tem um negócio que está contra vocês, ninguém come mais arroz, principalmente os jovens. Está caindo o consumo em 25%. E aqui está o dilema de vocês. Produzem 10,5 milhões de toneladas", alertou.

O presidente da John Deere Brasil destacou que o setor está nas mãos do comprador e possui custos complicados. "Se o consumo cai na ponta, temos que ajustar. Temos 10 mil estabelecimentos de arroz, 220 milhões de brasileiros comem o cereal.  Pouco, mas comem. Quem devo agradar? Tem que ajustar a oferta e aqui tem um desafio: todos têm que ajustar e alterar também o custo de produção", provocou, apontando ainda a importância da integração com outras culturas, em especial a soja. "A soja é proteína, é dólar, é porto de Rio Grande, é mercado futuro, vai mexer com toda a matriz econômica de vocês. É isso que vocês precisam. Ovos em diferentes cestas", afirmou.

O tom da palestra ministrada por Herrmann foi ao encontro do discurso do presidente da Federarroz, Alexandre Velho, no evento, especialmente sobre o ajuste da oferta e a redução de custos. "Há dois anos estamos alertando  sobre a importância da redução da oferta no mercado interno e, consequentemente, ajustada esta produção versus consumo. Hoje eu tive a satisfação de escutar aqui este posicionamento que veio nos dar força e apoio no sentido de levar adiante a abertura de novos mercados", declarou.

Sobre vendas internacionais, Velho complementou que há muitos mercados a serem atingidos. "Já temos mais de 100 países como destino para o arroz brasileiro. Estamos viabilizando a questão da modernização que temos que ter no porto para termos uma competitividade maior e poder alcançar esses mercados", explicou, adiantando que o Panamá, um importante destino, está próximo de ser atingido com o cereal e também estamos cogitando a Guatemala. Este é um tema fundamental, junto com o ajuste de redução de área, para nós levarmos o arroz gaúcho e brasileiro para o mundo", afirmou.

No painel O Brasil e o Mercado Internacional do Agronegócio, os convidados foram o presidente da Farsul, Gedeão Pereira, que observou os esforços do governo Federal para a abertura de novas oportunidades de negócios, e o deputado federal Alceu Moreira. O primeiro destacou que o foco do Brasil, em geral, deve se voltar para o mercado asiático. "Nós, o Brasil, produzimos alimentação para 1,6 bilhão de pessoas enquanto que temos uma população de 200 milhões. Temos um  superávit alimentar equivalente humano para cerca de 1,4 bilhão de pessoas", declarou.

Já o segundo apontou que "não podemos perder mercado em nenhum canto do mundo. O Brasil tem em seu portfólio 14 produtos, sendo que seis deles o Rio Grande do Sul produz. Entretanto, falta estrutura intermediária dinâmica para negociar essas mercadorias e comercializar. Falta relação institucional pública do nosso país com outras nações para poder vender tudo isso para o exterior. Podemos expandir a venda de arroz para vários lugares do mundo, mas estamos morrendo de sede na beira da fonte porque a estrutura é acanhada diante da nossa produção", afirmou.

No turno da tarde também houve a palestra do professor em Inovação em Agronegócios da ESPM, Antônio Filipe Muller, com o tema Inovação e empreendedorismo na cadeia do arroz: qual o caminho? Ele salientou a importância do produtor apoderar-se do conceito de empreendedor rural, estar focado em obter resultados.

Muller lembrou que o resultado de uma empresa implica em Gestão, Estratégia e Inovação. "Estamos finalizando a Era da Inovação, que começou em 2010, e agora está começando a Era da Transformação. Não podemos trabalhar sempre da mesma maneira e querer um resultado diferente. É preciso inovar e perseguir  oportunidades", afirmou, destacando que o produtor de arroz tem que explorar as suas possibilidades, buscar diferenciais para o seu produto visando um consumo maior.

Já a psicóloga Kátia Saraiva abordou Gestão de Pessoas no Agronegócio: plantando ações, colhendo sucesso. Pela manhã, ocorreu também a palestra Das lavouras para o mundo: abrindo portas para novos mercados foi outro tema abordado no segundo dia de palestras do evento. O palestrante, Rodrigo Velho, gerente comercial do Tecon Rio Grande, falou sobre a evolução do container que foi criado em 1956 e mudou a logística do transporte marítimo internacional. Salientou  que o arroz é a carga número 1 do terminal de contêineres do Porto de Rio Grande, por isto a importância do segmento orizícola. "A mercadoria arroz carrega no porto de Rio Grande por ano, cerca de 30 mil contêineres de 20 pés ou 15 mil contêineres de 40 pés", informou.

A 30ª Abertura Oficial da Colheita do Arroz ocorre até esta sexa-feira, dia 14 de fevereiro, na Estação Experimental Terras Baixas, da Embrapa Clima Temperado, em Capão do Leão (RS). O tema este ano é "Integração Para a Sustentabilidade". O evento é uma realização da Federarroz com correalização da Embrapa e Patrocínio Premium do Instituto Rio Grandense do Arroz. Informações sobre a programação podem ser obtidas em www.colheitadoarroz.com.br.

Fonte: AgroEffective

Redação Destaque Rural
Publicado por Redação Destaque Rural

Portal Destaque Rural

Enviando