Mercado

O leite vira moeda no Ceará

Quando um produto agropecuário se torna muito importante para a economia de uma região, vira moeda de referência nas transações comerciais. É caso da soja no Oeste baiano onde o preço do hectare de terra, em função da sua localização, vale entre 40 a 600 sacas de soja .

No Ceará, o litro de leite começa a ser a moeda na compra de novilhas e vacas leiteiras, numa operação desburocratizada, já em execução, entre a indústria Betânia Lácteos, seus fornecedores de leite no Ceará e a Fazenda Flor da Serra (fornecedora das novilhas), visando repovoar o rebanho leiteiro que sofreu redução durante o último ciclo de secas, atendendo a uma demanda de produtores de leite que não conseguem crédito bancário oficial.

A primeira transação, baseada numa relação sólida entre a Betânia e os seus produtores de leite ocorreu nesta primeira semana de novembro, quando foram negociadas 56 novilhas prestes a parir, com 16 pequenos produtores de leite de Quixeramobim, Morada Nova, Limoeiro, Ibicuitinga, Alto Santo, Piquet Carneiro e São João do Jaguaribe.

Cada novilha, selecionada pelos produtores, com capacidade mínima de produzir 15 litros de leite por dia, foi negociada por 4.250 litros de leite. O produtor assina um contrato com a Betânia para pagar o débito durante 20 quinzenas, tendo dois meses de carência, tempo em que as novilhas estarão paridas e produzindo leite.

Nesse contrato, o produtor autoriza à Betânia a descontar do boleto de leite fornecido, quinzenalmente, 212,5 litros de leite até liquidar a conta. O valor correspondente a esse leite será repassado pela Betânia à fazenda fornecedora das novilhas.

A cadeia do leite no Ceará, entre 2006 e 2017, mostrou que responde positivamente economicamente, gerando renda (VBP) de R$ 742 milhões, a segunda maior do setor agropecuário, e socialmente, com 115 mil empregos diretos no campo, em 2017.

Vale considerar que, no Ceará, entre 2006 e 2017, com seis anos de seca, apesar de uma redução de 12% do rebanho bovino, a produção de leite cresceu 25%, motivado  pela tecnologia empregada no campo e pelo trabalho sério dos pecuaristas, com ganhos de produtividade por vaca por lactação, em torno 80%.

Portanto, na minha leitura, as instituições públicas e privadas realmente comprometidas com a economia agropecuária do Semiárido do Nordeste precisam 'trocar o chip' da mesmice e encontrar soluções inteligentes e desburocratizadas para viabilizar o desenvolvimento das poucas cadeias produtivas agropecuárias viáveis nesse sertão de secas recorrentes.

Fonte: MilkPoint

Redação Destaque Rural
Publicado por Redação Destaque Rural

Portal Destaque Rural

Enviando