Plantas daninhas em pastagens: por que é tão importante controlar?

Plantas daninhas englobam todas as plantas que interferem no crescimento das cultivadas, mostrando-se persistentes, e que atuam de forma negativa nas atividades humanas, sendo consideradas como plantas indesejadas. Este tipo de planta costuma crescer em condições adversas, como ambientes secos ou úmidos, com temperaturas baixas ou elevadas e variados tipos de solos.

Estas plantas apresentam capacidade de produzir sementes viáveis em abundância, com variadas formas de dispersão, além de apresentarem resistência ao ataque de pragas e doenças. As plantas daninhas afetam não somente a atividade agrícola, mas também, causam perdas em áreas de pastagens, reduzindo, assim, sua produtividade.

Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de 2018 mostram que o Brasil possui 158,6 milhões de hectares de pastagens, embora haja uma população bastante baixa de bovinos nessas pastagens, com apenas 1,09 animais por hectare. Do total de pastagens, aproximadamente 70% são plantadas e 30% são naturais.

Se essa enorme área utilizada no Brasil for melhor aproveitada, ou seja, se for possível colocar mais animais por área de pastagem, é possível aproveitar muito mais área para a produção agrícola. Confira na tabela abaixo a liberação de áreas para a agricultura como a melhora no aproveitamento das pastagens:



A tabela mostra que um aumento muito pequeno, de 1,09 animais por hectare para 1,15 animais por hectare, seria possível liberar 8,3 milhões de hectares para a agricultura, mantendo a mesma população bovina. Se o número de animais por hectare dobrar, é possível ter a mesma quantidade de bovinos que existem hoje em metade da área de pastagens. Atualmente, segundo dados do IBGE de 2019, a agricultura ocupa 78,8 milhões de hectares, o que mostra a importância da liberação de áreas de pastagens para agricultura.

A questão é que, desta grande área ocupada por pastagens, grande parte dela - podendo a chegar a 60% - têm algum grau de degradação. Alguns motivos que levam à degradação de pastagens são:

- Sub ou super pastejo;
- Perda de nutrientes devido à baixa fertilidade do solo ou perdas decorrentes da exploração agropecuária que não repõem os nutrientes nas pastagens;
- Gramíneas não adaptadas ao local ou ao clima;
- Ataque de pragas e doenças;
- compactação do solo e erosão
- Diversidades climáticas, como secas, geadas e encharcamento;
- Infestação por plantas daninhas.

Dentre esses fatores que podem levar à degradação da pastagem, a infestação por plantas daninhas tem uma grande importância. Confira no gráfico abaixo a perda que ocorre nas pastagens quando competem com as plantas daninhas:



Como mostra o gráfico, uma pastagem que ficou competindo com plantas daninhas pro 120 dias tem uma perda de até 92% em comparação com pastagens sem plantas daninhas. Fica claro, portanto, que para melhorar a eficiência na produção de animais no pasto, o controle das plantas daninhas é essencial.

Fonte: MilkPoint

Redação Destaque Rural
Publicado por Redação Destaque Rural

Portal Destaque Rural

Enviando