Café: variações climáticas geram preocupação para safra 2020

Instabilidades no clima devem comprometer produção na próxima temporada, assim como aconteceu no ciclo atual

Preocupada com a instabilidade do comportamento climático, a Cooperativa Regional de Cafeicultores em Guaxupé realizou, nesta terça-feira (20), o I Fórum Técnico Café e Clima, oportunidade em que profissionais discutiram o tema por meio de um ciclo de palestras, concluindo que - assim como a safra 2019 – a de 2020 também será comprometida e não deve, segundo especialistas, ser maior que a de 2018 (ano de bienalidade alta).

Isto porque, desde dezembro de 2018, o clima tem apresentado variações, gerando reflexos nos cafezais por conta das chuvas irregulares, altas temperaturas, geadas e floradas irregulares. A exposição das lavouras a uma grande amplitude térmica, cujas temperaturas mínima e máxima registraram 14 e 36 graus, também comprometeu o metabolismo da planta.

A palestra de Éder Ribeiro dos Santos, coordenador do Departamento de Geoprocessamento da Cooxupé, abordou as condições e o comportamento da plantação no período entre setembro de 2018 e abril de 2019. De acordo com ele, as principais ocorrências registradas na área de ação da cooperativa foram a florada antecipada e a temperatura acima da média, que culminou com uma seca prolongada durante o mês de janeiro de 2019, mas que foi seguido por um período chuvoso e de alta nebulosidade em fevereiro deste ano. Éder explica que principais causas de quebra de produtividade na cafeicultura se devem 56% à deficiência hídrica, 17% ao excesso hídrico e 14% às temperaturas adversas, que juntos correspondem a 87% dos fatores de influência na produção.

O presidente da Cooxupé, Carlos Augusto Rodrigues de Melo, afirma que - mesmo com o levantamento técnico realizado na área de ação da Cooxupé ao longo desses meses - não é possível ainda falar em números sobre os impactos na safra do próximo ano, mas que a colheita pode ser, no máximo, igual a de 2018.

Os impactos do clima, no entanto, já são sentidos pela cooperativa no recebimento de café deste ano. "Até o momento, estamos com a produção de nossa área 95% colhida e recebemos de cooperados e terceiros 4,144 milhões de sacas de café arábica. Nossas expectativas gerais eram de 5,7 milhões de sacas e, certamente, não alcançaremos esta meta", revela o presidente da Cooxupé. Em 2018, o recebimento de café de cooperados e terceiros foi de 6,451 milhões de sacas.

Fonte: DATAGRO

Redação Destaque Rural
Publicado por Redação Destaque Rural

Portal Destaque Rural

Enviando