"A América está falhando com seus produtores de leite"

 Por Hamdi Ulukaya*

Crescendo em uma família de produtores de leite numa cadeia de montanhas no leste da Turquia, o maior perigo que enfrentávamos era de lobos. Quando os lobos atacassem, eles não matariam apenas um bode ou uma ovelha - eles matariam todos eles. Se não tivéssemos cuidado, em apenas alguns minutos, poderíamos perder todo o rebanho do qual dependíamos para fazer o iogurte e o queijo que venderíamos no mercado.

Hoje, como fundador de uma empresa de iogurte que recebe meio bilhão de quilos de leite a cada ano, dependemos de mais de 1.000 fazendas de leite em toda a América, e os lobos são o menor de seus problemas.

Graças aos baixos preços do leite, à queda nas taxas de consumo de lácteos, à consolidação da indústria, à concorrência global e ao medo do consumidor de que os produtos lácteos causem todo tipo de câncer a diabetes, os produtores de leite enfrentam sua pior crise desde pelo menos a Grande Depressão.

A América perdeu uma média de cinco fazendas de leite por dia nos últimos 10 anos - perto de 19.700 no total - mas a depressão dos laticínios nunca é discutida publicamente ou nos noticiários. Mais de 90% das fazendas leiteiras dos Estados Unidos são de propriedade familiar, com os laticínios gerando um impacto econômico geral de mais de US$ 628 bilhões a cada ano. E, no entanto, embora a lei agrícola aprovada no ano passado ofereça assistência financeira, há muito mais que o Congresso possa fazer para ajudar as pequenas fazendas leiteiras que produzem um alimento de alta qualidade para as famílias americanas.

As fazendas americanas são a espinha dorsal das comunidades rurais. Se o Congresso leva a sério suas metas frequentemente estabelecidas de fortalecer seus laços com a América rural, deve começar com os produtores de leite.

Deveria encontrar uma maneira de colocar o governo do lado das famílias que ordenham as vacas até três vezes por dia em fazendas familiares - em todos os tipos de clima e em todos os feriados - para colocar laticínios nas mesas dos Estados Unidos. Precisamos de mais mercados para laticínios e uma política comercial internacional estável. Mas fortalecer o leite nacional dos Estados Unidos não é apenas um trabalho para o governo.

Isso requer uma mudança real das empresas que dependem do leite - uma abordagem holística que inclui o comprometimento com o abastecimento local e ajuda aos produtores a procurar maneiras de serem mais eficientes. Precisamos do poder coletivo de todos os fabricantes de laticínios e outros que usam os lácteos como um ingrediente-chave para procurar maneiras de melhorar todo o sistema, e não lidar com uma única questão isoladamente.

Porque nós temos que encarar que o modelo atual está quebrado para os produtores, e está deixando os consumidores questionando tudo, incluindo o tratamento de animais e trabalhadores, bem como de onde vem sua comida. Queremos capacitar os produtores para liderar com seus valores e olhar para o seu modo de vida como um negócio que deve ser mais magro, mais eficiente e mais forte para sobreviver em um momento difícil para a indústria.

Como um passo nessa direção, a Chobani - em parceria com muitos grupos, incluindo a Fair Trade USA, o World Wildlife Fund, a National Milk Producers Federation, a Cornell University e fundações estaduais e comunitárias em Idaho e Nova York - está iniciando um programa chamado Milk Matters.

O programa tem vários aspectos. Em parceria com o estado de Nova York e a Cornell University, estamos oferecendo pequenas doações para fazendas com até 300 cabeças de gado no estado de Nova York. Isso ajudará a apoiar o planejamento de negócios dessas fazendas, incluindo o orçamento e a análise de investimentos potenciais que possam melhorar a lucratividade. Também estamos trabalhando com a Fair Trade USA para explorar o desenvolvimento dos melhores padrões de produtos lácteos certificados para garantir o bem-estar dos trabalhadores, observando o horário de trabalho, treinamento de segurança e benefícios. Com as economias lácteas em baixa e os filhos dos produtores sendo forçados a escolher outro trabalho, os imigrantes sem documentos, muitas vezes com pouca ou nenhuma compreensão dos seus direitos básicos, representam agora 60% de todo o trabalho agrícola em todo o país.

E, finalmente, estamos fazendo uma parceria com o World Wildlife Fund e a National Milk Producers Federation para avaliar as emissões de gases de efeito estufa e o uso de energia em fazendas leiteiras para reduzir suas pegadas ambientais e identificar possíveis maneiras de reduzir os custos na fazenda.

Vai nos custar mais para comprar nosso leite e administrar nossos negócios. Mas é claro que, se não agirmos, essa depressão não terminará. Por muito tempo, nos faltou uma abordagem comunitária - um manual que todos possam apoiar.

De volta para casa, se os lobos matassem um rebanho, todo agricultor local doaria um animal para a família afetada para reconstruir sua produção, porque cada pedacinho conta. Nós devemos fazer o mesmo com nossos produtores de leite hoje.

Este programa sozinho não fornecerá o alívio que os produtores de todo o país precisam. Em última análise, precisamos de uma coalizão melhor entre o governo e o setor privado. Mas é um pequeno passo do setor privado com uma grande mensagem: o futuro do leite - e o bem-estar dos produtores de leite - é importante para todos nós.

As informações são da CNN Business, traduzidas pela Equipe MilkPoint.

*Fundador e diretor executivo da Chobani. Além de fundador, ele é diretor executivo da Chobani, fabricante da marca de iogurtes gregos número 1 dos EUA e o segundo maior fabricante global de iogurte nos EUA.

Redação Destaque Rural
Publicado por Redação Destaque Rural

Portal Destaque Rural

Enviando