Com foco no clima nos EUA e no relatório do USDA, preços fecham 4ª em alta na CBOT

Destaque Rural

Nesta quarta-feira (10), os principais contratos futuros da soja e do milho encerraram o pregão em campo positivo na Bolsa de Chicago (CBOT). De acordo com informações da Reuters Internacional, os futuros do milho tiveram valorizações menos expressivas, "com melhores índices da safra e o clima mais seco, previsto no Meio-Oeste nos próximos dias, impulsionando as perspectivas de produção nos EUA, após torrenciais chuvas de primavera".

No início da semana, o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) elevou de 56% para 57% o índice de lavouras de milho em boas ou excelentes condições. Apesar da pequena melhora o percentual ainda está bem abaixo do registrado em igual período de 2018, de 75%.

Já no caso da soja, o departamento norte-americano reduziu de 54% para 53% o índice de lavouras em boas ou excelentes condições. E, assim como no milho, as atenções também estão voltadas ao comportamento do clima no país.

Isso porque, o clima mais quente e seco, apesar de ajudar a secar os campos ainda encharcados, pode trazer preocupações para a safra caso se prolongue. "Para o curto prazo, este clima (quente e seco) é bom, mas depois de cerca de uma semana, o milho pode mostrar alguma deterioração", disse Bill Gentry de Commodities de Gestão de Risco, em entrevista a Reuters Internacional.

Além disso, os participantes do mercado ainda ajustaram posições antes do relatório de oferta e demanda, que será divulgado pelo USDA nesta quinta-feira (11). Os analistas consultados pela Reuters esperam que o governo norte-americano reduza suas estimativas para as safras de milho e soja na temporada 2019/20 nos EUA.

Publicado por Fernanda Custódio

Formada em Comunicação Social pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas). Trabalha há mais de 6 anos com produção de conteúdos jornalísticos para o agronegócio.

Enviando