Agronegócio

Viabilidade econômica, qualidade e avanços da pesquisa são discutidos no Fórum Nacional do Trigo

03/07/2019
Viabilidade econômica, qualidade e avanços da pesquisa são discutidos no Fórum Nacional do Trigo

Painel Perspectivas do trigo

Fonte: Divulgação 13ª RCBPTT/Ron Lima

Viabilidade econômica, qualidade e avanços da pesquisa são discutidos no Fórum Nacional do Trigo

Evento em Passo Fundo (RS) reuniu cerca de 300 pesquisadores, profissionais do agronegócio, agricultores, produtores de sementes, cerealistas e moinhos de 10 estados brasileiros

O salto na produtividade do trigo em diferentes regiões do país está atrelado à pesquisa de tecnologias adequadas às necessidades específicas de cada região produtora, sempre buscando que a qualidade do produto atenda de toda a cadeia do trigo, desde o produtor, cerealistas, moinhos e o consumidor final. E para viabilizar o cultivo que sofre redução de áreas em detrimento ao mercado e do clima em certos estados do país, a cadeia tem se organizado para estabelecer, ainda antes do plantio, parcerias mais firmes entre a indústria e o produtor. Esses e outros assuntos foram debatidos durante o Fórum Nacional do Trigo, em Passo Fundo (RS). A programação é paralela à 13ª Reunião da Comissão Brasileira de Pesquisa de Trigo e Triticale (RCBPTT), que será realizada nos dias 3 e 4 de julho. Ambos eventos são promovidos pela Biotrigo Genética, com apoio da Embrapa Trigo.

 

Pesquisa aponta lucro de mais de R$ 200 por hectare

Um estudo realizado pela Fundação ABC em lavouras de trigo do Paraná e São Paulo apontou que a cultura trouxe lucratividade aos produtores que cultivaram consecutivamente o cereal no inverno. Segundo o pesquisador do setor de Economia Rural da Fundação ABC, Cláudio Kapp Júnior, responsável pela pesquisa que analisou o banco de dados coletados pelas cooperativas Capal, Frísia e Castrolanda, há 24 safras deu-se início ao controle dos níveis de produtividade dos produtores e dos níveis de custo de produção, juntamente com a Fundação ABC. "Com base nestes dados, realizamos uma análise para entender qual o resultado do trigo e percebemos que ocorreram safras em que o produtor perdeu dinheiro e outras em que ele ganhou, mas as safras em que ganhou dinheiro superaram as safras negativas. O estudo comprova uma rentabilidade acima de R$ 200 por hectare, mostrando o trigo como boa opção de inverno".

Cláudio diz ainda que são casos reais registrados no PR e SP de produtores que, independente do mercado ou do clima, sempre cultivaram o trigo. Também frisa a importância de ser implantada uma metodologia que diferencie o fluxo de caixa e a gestão, para compreender que a cultura pode ser boa opção financeira para a safra de inverno.

 

Perspectivas do Trigo: passado, presente e futuro

O engenheiro agrônomo, PhD em melhoramento genético e diretor da Biotrigo Genética, Ottoni Rosa Filho, abordou as novas tecnologias para o trigo na abertura do painel "Perspectivas do Trigo: passado, presente e futuro". Segundo ele, novas tecnologias são comuns em milho e soja. Para trigo, o tema é visto de forma bastante diferente. Ele detalhou algumas tecnologias que estão mais próximas do triticultor, sob uma perspectiva global. "Estas tecnologias -  HB4, Clearfield e Heathsense - têm em comum terem dois componentes: propriedade intelectual e agregação de valor. No caso do trigo, o valor agregado pode ser para o agricultor ou o consumidor final do trigo", disse.

O engenheiro agrônomo e consultor Sérgio Schneider, apresentou o cenário do trigo no Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Segundo ele, o trigo sempre foi uma cultura importante na região, fazendo parte do binômio trigo/soja. Hoje na grande maioria das regiões tritícolas do RS são cultivados menos de 20% da área útil para a cultura, em função da instabilidade climática e da falta de políticas de preços e garantias de comercialização. Entretanto, com relação a área cultivada ele enfatiza que ela já foi maior no passado, por outro lado, o crescimento da produtividade deu um salto. "Por vários anos tínhamos a famosa receita dos 25 sc/ha, sendo que hoje, bons produtores têm superado os 80 sc/ha com facilidade", comentou.

Na região, conforme Schneider, pesquisas demonstraram altos potenciais de produção. "Exemplos de campo com bons produtores têm superado as 5 ton/ha, mostrando que a cultura tem potencial. Nas últimas décadas a evolução na triticultura tem se dado na pesquisa em busca de materiais genéticos mais produtivos e adequados ao mercado, bem como na evolução dos processos produtivos para altas produções e a assistência técnica levando as tecnologias junto aos produtores", disse. Por outro lado, Schneider comentou que o que muitas vezes acaba impedindo os produtores de obterem os altos rendimentos é a instabilidade climática. "O excesso de chuva é o fator que mais interfere negativamente na cultura, ocasionando doenças de espiga por ocasião do florescimento ou no momento da colheita e, assim depreciando a qualidade do produto final ou até inviabilizando para panificação", analisou.

O diretor da Lagoa Bonita Sementes, Auleeber Santos, apresentou o cenário da cultura em São Paulo. O cultivo do trigo no Estado é recente, se dando a partir dos anos 2000. Desde então, ele ressalta a evolução significativa na área cultivada em função da pesquisa, buscando cultivares adaptadas e também propiciando uma produtividade mais elevada. "Grande parte do nosso produto final tem como destino mercados em São Paulo, o que viabiliza nossa logística e negociação. Por conta disso, o cenário é favorável", diz acrescentando que o trigo é uma opção de cultivo que auxilia na diluição de custos e fluxo de caixa em um período em que os produtores tem limitadas ações de cultivo. Ele defendeu que o trigo é fundamental na região e que sem ele, o negócio ficaria inviável. "Ajuda a distribuir os custos e ainda traz uma renda em um período (inverno) não teríamos receita. Temos que começar a tratar o trigo como ele merece e não como uma ovelha negra. Porque hoje o produtor coloca 50% do custo no trigo, mas os benefícios proporcionados pelo cereal não são levados em conta.  A produtividade de 17% a mais que a soja produz na área que anteriormente foi ocupada pelo cereal, não é colocada na conta pelo agricultor", finalizou.

Os experimentos com a cultura do trigo na região do Cerrado tiveram início na década de 70, mas começaram a ganhar força a partir dos anos 2010/2011 e, assim como ocorreu em outras regiões do país, foi em 2016 que os produtores do Cerrado obtiveram a maior produção. Atualmente, a cultura ocupa cerca de 150 mil hectares nos estados de Minas Gerais, Goiás, Bahia e Distrito Federal.

O surgimento de variedades adaptadas às condições do Cerrado e com tolerância à Brusone foram os principais avanços nas últimas décadas, destacou o presidente da Associação dos Triticultores do Estado de Minas Gerais (Atriemg), Eduardo Elias Abrahim. Na região, o aumento da produção na região proporcionou um impacto muito grande na competitividade dos moinhos instalados, com crescimento da moagem e, a consequente oferta de empregos em toda cadeia tritícola. Para Abrahim, a expectativa é de aumento expressivo de área nos próximos anos, bem como a expansão da cultura no país, em função da qualidade do produto e pela quase ausência de micotoxinas. Ele destaca que entre as vantagens da produção está a rotação de culturas, redução de doenças, melhoria do perfil do solo, entre outros.

O engenheiro agrônomo Lucas Simas, chefe de Departamento da Fazenda Experimental da Coamo (Coamo Agroindustrial Cooperativa), destacou o cenário do cereal no Paraná e Mato Grosso do Sul e ressaltou que o potencial produtivo do trigo não depende apenas das condições climáticas, mas também da tecnologia empregada na cultura. Segundo ele, safras avaliadas comprovam a possibilidade do produtor atingir esses índices elevados. "A melhor safra foi em 2016, quando as condições climáticas foram favoráveis, já no ano seguinte o clima não foi tão benéfico, logo, a tendência é da produtividade diminuir. Porém, se olharmos o potencial produtivo do trigo no passar dos anos, é surpreendente a sua evolução".

Simas exemplifica o potencial da cultura. "Em 2016, safra em que a cooperativa tem como referência de potencial, 18% dos cooperados obtiveram produtividade superior a 65 sc/ha e 6% atingiram produtividade superior a 74 sc/ha. "Isso mostra que o potencial evoluiu bastante e compete a nós e aos produtores buscar potenciais produtivos dessa magnitude", destaca.

Com relação a rentabilidade comparando com outros cereais de inverno, o trigo torna-se viável com o passar dos anos, pois o cultivo do cereal está atrelado a fertilização. Ele explica que a distribuição de fertilizantes é muito maior e mais efetiva em lavouras de trigo, pelo fato de ser cultivado com espaçamento reduzido de 17 cm entre uma linha e outra, sendo muito positivo quando comparado com o espaçamento a soja que é entre 45 a 50 cm e do milho, entre 50 a 60 cm. Além disso, o volume de cobertura de solo que o plantio do trigo proporciona é muito superior do que o milho segunda safra plantado neste período na região. Sem contar que o trigo é uma cultura que pode ser trabalhada sem aplicação do glifosato. "Com uma cobertura do solo mais eficiente, temos menor incidência de plantas daninhas e um custo menor de dessecação para a cultura principal que é a soja. Comparando com o milho segunda safra, a dessecação com o trigo custa cerca de 10 vezes menos", comentou.

Para viabilizar e estimular a produção do cereal, a cooperativa criou em 2018 um contrato de planejamento da cultura. Pois no momento de formação da lavoura o preço é um e na colheita é outro, geralmente inferior. Desta forma, com a política de compra com os cooperados eles tem um incentivo e garantia a mais para produzir o cereal.

 

Legislação torna mais rígidos limites da micotoxina no trigo

O Sul do Brasil concentra 90% da produção nacional de trigo e nessa região a principal doença é a Giberela, causada por espécies do fungo Fusarium graminearum, que ocorre especialmente em anos com frequentes períodos de chuva durante o estádio de florescimento. Ao colonizar os grãos de trigo esse fungo produz, principalmente, a micotoxina desoxinivalenol (DON), que representa risco para a saúde das pessoas e dos animais, sendo objeto de legislação específica para limites máximos de tolerância nos alimentos. O manejo da Giberela do trigo no campo, foi abordado pelo fitopatologista da Biotrigo Genética, Paulo Kuhnem. Pela nova legislação de limites máximos toleráveis de DON nos grãos e farinhas terem ficado mais rígidos a partir de janeiro de 2019 ele enfatizou que o manejo para a adequação destes níveis de DON começa no campo pela utilização de cultivares com maior nível de resistência genética associado a aplicação de fungicidas. "Por não se dispor ainda de cultivares imunes é muito importante que os produtores e assistência técnica estejam monitorando o desenvolvimento da cultura e as condições climáticas para realizar aplicações de fungicidas no florescimento e reduzir os teores de micotoxinas nos grãos colhidos", disse.

A pesquisadora da Embrapa Trigo, Casiane Salete Tibola abordou as estratégicas para minimizar a contaminação do trigo por micotoxinas. Ela destacou a importância de medidas pós-colheita para minimizar a contaminação do trigo e derivados por micotoxinas, visando contribuir para a produção de alimentos seguros e garantir liquidez no mercado.

A especialista em engenharia de alimentos e supervisora de qualidade industrial da Biotrigo, Kênia Meneguzzi, tratou sobre as possibilidades de redução de DON na pré-moagem e abordou uma visão geral do problema. Segundo Kênia, a nova legislação que entrou em vigor em 1º de janeiro deste ano, baixou para 750ppb o limite de DON para farinha de trigo. Ela destacou que os elos da cadeia devem utilizar todas as ferramentas que dispõem para atingir esses novos limites e ter uma melhor comercialização dos lotes.  "O produtor possui opções de cultivares mais resistentes à Giberela e ainda tem como ferramenta realizar manejo indicado, pois não pode contar com o clima, por não poder controlá-lo. Os cerealistas podem ser eficientes no recebimento através da pré-limpeza, mesa de gravidade e também com o cuidado o armazenamento dos grãos. Já os moinhos possuem equipamentos mais específicos, como a selecionadora ótica, que através de infra-vermelho detecta e descarta os grãos contaminados e as impurezas, além do peeling - equipamento que remove a camada mais externa do grão aonde se concentrados os maiores níveis de bactérias, micotoxinas e agrotóxicos", destacou.

 

Pesquisa identifica novo vírus do Mosaico

O pesquisador da Embrapa Trigo, Douglas Lau, palestrou sobre as principais viroses que impactam na produção de trigo no Brasil e destacou a mais recente pesquisa multi-institucional realizada com o Mosaico do trigo que apontou a descoberta de um novo vírus chamado WhSMV (Wheat stripe mosaic virus). Esta doença, também presente em vários lugares do mundo, provoca prejuízos de nada menos de 50% da produtividade da lavoura do cereal de inverno. "Até há pouco tempo, acreditava-se que o Mosaico do trigo era provocado somente por dois vírus: SBWMV (Soil-borne wheat mosaic virus) e WSSMV (Wheat spindle streak virus). Por isso a descoberta foi tão importante: identificar que há mais agentes causadores da doença reforça a importância do direcionamento da pesquisa em busca de novas tecnologias, de cultivares resistentes, além de alternativas químicas e culturais para o manejo", explicou.

 

Comissão Brasileira de Pesquisa de Trigo 

O Fórum Nacional do Trigo e a RCBPTT são eventos promovidos anualmente pela Comissão Brasileira de Pesquisa de Trigo e Triticale para estabelecer estratégias de cultivo para o trigo e triticale em todo o Brasil. A entidade é formada por instituições de pesquisa e de apoio comprometidas com a produção de ações de pesquisa, difusão de tecnologia e desenvolvimento da cadeia de trigo e triticale. Nesta edição, a promoção dos eventos ficou a cargo da Biotrigo Genética, com apoio da Embrapa Trigo, ambas de Passo Fundo (RS), além dos patrocínios das empresas Basf, Syngenta, Bayer, Coamo, Granotec, Agrária, Apasem e FMC.

 

Homenagens

Ainda na tarde desta terça-feira, a Comissão Brasileira de Pesquisa de Trigo e Triticale realizou homenagens a dois pesquisadores por suas contribuições à pesquisa e ao desenvolvimento da cultura do trigo no Brasil. A doutora em genética e evolução e com pós-doutorado em citogenética e melhoramento, Maria Irene Baggio, e o agrônomo, pesquisador e mestre em agronomia na área de entomologia, Dirceu Gassen (in memorian) foram representados pelos filhos, Marcelo Caio de Moraes Fernandes e Tais Gassen, respectivamente na cerimônia. Para finalizar a programação do Fórum, os participantes participaram de um coquetel, promovido na nova sede da Biotrigo Genética, patrocinado pela Syngenta. O coquetel aconteceu no centro de pesquisa da Biotrigo.

Redação Destaque Rural
Publicado por Redação Destaque Rural

Portal Destaque Rural

Enviando