Brasil deve manter o ritmo de exportação de commodities

Atual cenário da exportação no País demanda novas plataformas de comercialização

O Brasil é a fazenda do mundo e tem demonstrado sua força com a venda de commodities para a China, sendo a soja o principal deles, até porque o nosso País é o maior produtor desse insumo. Somente em 2020, apesar da pandemia, o Brasil exportou novamente mais de 100 bilhões de dólares no setor do agronegócio e com relação a esse comportamento. Teve um estudo pelo USDA (Departamento de agricultura dos Estados Unidos) que o Brasil vai aumentar em até 40% a produção do setor até o ano de 2027. O que significa que haverá ainda mais exportação nessa área.

E a China segue como uma das maiores parceiras comerciais do Brasil, especialmente nessa área e muito além da soja, o consumo de café no país, por exemplo, também teve um aumento nos últimos anos e a tendência é crescer ainda mais. Por essa razão, manter as relações amigáveis com a China é fundamental. 

Neste ano, com a força de commodities como a soja, café e carne, é possível que o Brasil ultrapasse a marca dos 100 bilhões de dólares com exportações novamente. Nesse setor, os maiores exportadores são os Estados Unidos, os Países Baixos e o Brasil. Os números da exportação de café do Brasil são ótimos pois, além da volatilidade dos valores, os compradores costumam adquirir em grandes quantidades.

Diversos fatores podem impactar o valor da tonelada ou da saca de café. Um bom exemplo é que no final de 2020 vendíamos a tonelada de determinado tipo de café por aproximadamente US$ 2 mil por tonelada e atualmente esse mesmo tipo vale US$ 2,4 mil por tonelada. A safra é iniciada no começo do segundo semestre e em algumas áreas, como o Sul de Minas Gerais, os agricultores já começaram a colheita. Até o final de 2021 ainda há muito a ser comercializado e mesmo em um ano baixo, quando produtores tiveram uma grande quebra em comparação a outros períodos, os números serão positivos por dois motivos: a alta do dólar e o café que sobrou do último ano.

Em contrapartida, na bolsa de valores de Nova Iorque, os contratos de café vêm sendo liquidados de maneira rápida e forte, um dos motivos que pode influenciar no preço da commodity. Não existe uma razão objetiva para isso, apenas especulação de lucro dos compradores desses contratos, que agora estão vendendo. 

Larissa Schäfer
Publicado por Larissa Schäfer

Formada em Jornalismo pela Universidade de Passo Fundo (UPF).

Enviando