Previsão de chuvas apenas para o fim de maio, alerta agrometereologista

Chuvas isoladas na fronteira do RS nesta semana, porém apenas no fim do mês de maio as chuvas devem voltar ao Brasil, com o aquecimento da região 1+2

A passagem de uma nova frente fria promete mudar o tempo e levar chuva para várias áreas do Rio Grande do Sul nos próximos dias, de acordo com dados da ClimaTempo. Com a aproximação do sistema, a situação será de pré-frontal no estado nesta segunda-feira (3). Isso significa que as temperaturas devem subir mais no decorrer do dia e há possibilidade de rajadas de vento, no entanto, apenas o extremo sul gaúcho é que deve receber chuva isolada à noite.

Então nesta segunda-feira (3) algumas áreas de instabilidade trazem pancadas isoladas para o sul do Paraná e sul do Mato Grosso do Sul. “Essa frente, que está se formando na segunda-feira a tarde, avança sobre o Rio Grande do Sul levando chuvas torrenciais apenas sobre as regiões de fronteira entre Bagé, Dom Pedrito, Jaguarão até a região perto de Pelotas. Mas, de uma forma geral, essa frente perde forças e só vai levar chuvas ao estado gaúcho”, explica o agrometereologista da Rural Clima, Marco Antônio dos Santos.

A partir de terça-feira (4), o avanço da frente fria pela costa do Sul irá provocar bastante chuva no centro-sul do Rio Grande do Sul. Na Grande Porto Alegre, as pancadas de chuva devem se concentrar no período da tarde, mas o risco para temporais é alto. Já na quarta-feira (5), a frente fria deve começar a se deslocar para o mar, mas a entrada de uma massa de ar frio de origem polar derruba as temperaturas na Região. Ainda há risco de temporais no norte do estado, e o tempo também fica instável no extremo sul catarinense (informações da ClimaTempo).

Região 1+2

Segundo os modelos, a região central do Brasil não tem previsão de chuva até na quinta-feira (6), o que é normal por conta da época do ano. "Outro motivo, é porque a região 1+2 está demorando exageradamente para se aquecer, fazendo com que as chuvas não ocorram na região central do Brasil, os modelos climáticos indicam esse aquecimento para o mês de maio, mas eu acho que isso vai ser muito mais demorado do que os modelos estão prevendo”, alerta Santos.

As chuvas devem ocorrer apenas no fim do mês de maio. “Quando olhamos os mapas semanais, se vê algumas chuvas, mas extremamente pontuais, e os corredores de umidade já se canalizando (o que é normal para essa época do ano) para o sul do Brasil, então volta a chover bem em Santa Catarina, Paraná, sul do Mato Grosso do Sul. Porém, a partir do dia 20 de maio, ou seja, extremamente tarde para algumas culturas”, acrescenta.

Ainda de acordo com os modelos climáticos, ao longo dos dias 15 a 20 de maio a região 1+2 volta a se aquecer, jogando energia para a atmosfera e resultando em um ganho de amplitude para as frentes frias, trazendo então as chuvas em todo o centro-sul do Brasil. “Então de uma forma geral, há previsões de chuvas, no entanto serão extremamente tardias e isso vai comprometer as condições das lavouras de milho, feijão, algodão, cana-de-açúcar e café”, explica Santos.

“Para a cana-de-açúcar e para o café, os mapas climáticos semanais mostram ainda, que haverá chuvas nas regiões produtoras do mês de maio até setembro, quando as chuvas já estarão mais consolidadas no Brasil. Então a preocupação maior, é com o milho safrinha”, finaliza.

*Informações da Rural Clima e ClimaTempo

Larissa Schäfer
Publicado por Larissa Schäfer

Formada em Jornalismo pela Universidade de Passo Fundo (UPF).

Enviando