Tempo aberto e pancadas isoladas sobre o Brasil no fim de semana

As condições climáticas para o fim de semana se mantêm as mesmas, com tempo extremamente aberto e pancadas isoladas. “Toda essa área sul do Brasil com pouquíssimas áreas de instabilidades. Os mapas mostram algumas áreas de instabilidade sobre o Mato Grosso, Goiás, Minas Gerais, que já provoca algumas pancadas de chuvas extremamente isoladas em algumas áreas pontuais no Mato Grosso e Goiás, assim como na faixa norte do Brasil”, explica agrometereologista da Rural Clima, Marco Antônio dos Santos.

De acordo com o modelo climático americano, na sexta-feira (30), não há muitas chuvas, apenas algumas áreas de instabilidade que podem ganhar força e trazer eventuais pancadas de chuva sobre as regiões produtoras do norte de Goiás, Vale do Araguaia e na região norte do Brasil. “Nada impede que essa frente desça um pouquinho e venha ocasionar pancadas bastante irregulares aqui no sudoeste goiano. No entanto, se a gente pegar Bahia, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, São Paulo para baixo, Argentina, Paraguai e Bolívia, não tem nada de chuvas”, frisa o especialista.

No sábado (1/5) “essas áreas de instabilidades estão associadas a uma zona de convergência, que desce um pouquinho ganhando um mais de amplitude, porém já no sábado o tempo abre. No entanto, essas áreas de instabilidades ganham um pouquinho de forças e podem trazer chuvas para Goiás, Mato Grosso, nordeste de Mato Grosso do Sul e extremo oeste de São Paulo”, salienta Santos.

Na primeira semana de maio a frente fria já perdeu forças, mas há uma possibilidade que já na segunda-feira (3/5), algumas áreas de instabilidade venham trazer pancadas isoladas para o sul do Paraná e sul do Mato Grosso do Sul. “Essa frente, que está se formando na segunda-feira a tarde, avança sobre o Rio Grande do Sul levando chuvas torrenciais apenas sobre as regiões de fronteira entre Bagé, Dom Pedrito, Jaguarão até a região perto de Pelotas. Mas, de uma forma geral, essa frente perde forças e só vai levar chuvas ao estado gaúcho”, ressalta o agrometereologista.

Larissa Schäfer
Publicado por Larissa Schäfer

Formada em Jornalismo pela Universidade de Passo Fundo (UPF).

Enviando