Geral

Novo chefe-geral assume a Embrapa Trigo

30/04/2021
Novo chefe-geral assume a Embrapa Trigo

Jorge Lemainski

Fonte: Embrapa Trigo / Foto: Luiz Magnante

Novo chefe-geral assume a Embrapa Trigo

No dia 1º de maio de 2021 assume a Chefia Geral da Embrapa Trigo o engenheiro agrônomo Jorge Lemainski. Após processo seletivo interno na empresa, o novo chefe assume um mandato de dois anos, prorrogável por até seis anos. Na equipe de gestão da Embrapa Trigo seguem na chefia de Pesquisa e Desenvolvimento o pesquisador José Eloir Denardin e na chefia de Administração o analista Denilson Focking, com a incorporação do engenheiro agrônomo Giovani Faé na chefia de Transferência de Tecnologia.

Natural de Alegria-RS, Jorge Lemainski tem 63 anos e cursou Agronomia na Universidade de Passo Fundo. Iniciou na profissão em consultoria agrícola na região noroeste do RS, onde também foi vereador. Em 1989 rumou para o Brasil Central, onde trabalhou nas esferas agrícola e política durante 25 anos.

Entrou na Embrapa Cerrados (em Planaltina-DF), em 1997, atuando na área de difusão de tecnologias. Fez mestrado em Ciências Agrárias na Universidade de Brasília, de 2001 a 2003. Trabalhou na assessoria parlamentar até 2014, quando voltou para Passo Fundo-RS para compor a área de transferência de tecnologia da Embrapa Trigo. Entrou na gestão da Unidade como chefe-adjunto de Transferência de Tecnologia em 2017, deixando a função agora para assumir a Chefia Geral.

Reconhecimento do trabalho

“A Embrapa revolucionou a produção de alimentos no Brasil e no mundo, de forma eficiente e sustentável. Hoje, de cada 10 pessoas no mundo, uma se alimenta a partir do que o agronegócio brasileiro produz. Somos parte deste resultado e participar deste processo é uma satisfação pessoal”, declara Jorge Lemainski, lembrando a dedicação do corpo funcional da Embrapa Trigo na busca constante para reduzir custos e assegurar o melhor resultado na produção de cereais de inverno e culturas associadas que impactam na economia do campo e da cidade.

Desafios

Ampliar a área de cultivos de inverno no Brasil é o foco da chefia que inicia agora. “A nossa meta é fazer o Brasil chegar a 4 milhões de hectares de trigo no período de cinco anos. Um crescimento de 170% na área, especialmente nas regiões Sul e Brasil Central”, projeta Lemainski. No projeto de expansão, ele prevê o crescimento na área de cultivo com trigo nos próximos dois anos aumentando em 100 mil ha no Brasil Central (somados aos cerca de 200 mil ha cultivados em 2020) e outros 200 mil ha na Região Sul (hoje com 2,1 milhões de ha). “Estamos trabalhando para vencer os limitantes deste crescimento com resultados bem promissores em genética e manejo que podem reduzir impactos da giberela e da germinação pré-colheita no Sul, e da brusone e da seca no Brasil Central. O caminho passa por uma série de ações a campo e em laboratórios, com o apoio de parcerias, nacionais e internacionais, que permitem acesso a tecnologias de vanguarda em busca de soluções”.

Superação

A gestão da Embrapa Trigo está focada na superação de desafios através de parcerias com diversas entidades vinculadas ao agronegócio, como cooperativas, sementeiros, empresas de assistência técnica e extensão rural, instituições de pesquisa e ensino, sindicatos e associações: “Estamos buscando o apoio de parceiros que multiplicam o nosso alcance na instalação dos experimentos, na transferência de tecnologias e ainda qualificam os resultados da pesquisa”, explica Lemainski lembrando que “a Embrapa é uma empresa pública que trabalha voltada para atender demandas de estado, preenchendo lacunas que as outras empresas privadas não tem como foco, como segurança alimentar, manejo de solo e plantas. Esse é o nosso papel, desenvolver a produção agropecuária brasileira em benefício da sociedade e vamos seguir trabalhando para isso driblando as dificuldades que estão postas sem fraquejar”, conclui o chefe-geral da Embrapa Trigo Jorge Lemainski.

Sobre a Embrapa Trigo

A Embrapa Trigo é uma das 43 Unidades Descentralizadas da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). O centro de pesquisa foi criado em 28 de outubro de 1974 no município de Passo Fundo (RS) e possui quadro técnico de 200 colaboradores, sendo 44 pesquisadores, 37 analistas, 119 técnicos e assistentes.

Quando a unidade começou a atuar, a produção tritícola nacional era insipiente, praticada a partir da introdução de cultivares trazidas de outros países latinos, como a Argentina e o México, que resultavam em baixo rendimento devido à pouca adaptação destes materiais e à inexistência de tecnologia agrícolas apropriadas, como sistemas de produção, controle de pragas e doenças, mecanização na lavoura e conservação de grãos. O desenvolvimento de pesquisas específicas voltadas ao setor gerou um crescimento de 1,54% ao ano, resultando no aumento da produtividade de 500kg/ha na década de 70, para 800kg/ha num período de dez anos. A produção de trigo, que estava concentrada somente no Rio Grande do Sul, rapidamente se espalhou para os estados de Santa Catarina e Paraná, ganhou espaço no Brasil Central e hoje avança para o Nordeste.

Com foco no melhoramento genético do trigo e no desenvolvimento tecnológico para o complexo agroindustrial do produto, a Embrapa Trigo já desenvolveu 123 cultivares de trigo para os mais diferentes usos, como fabricação de pães, massas, bolachas e biscoitos, além de trigos para alimentação animal, como os de duplo propósito, que permitem pastejo com posterior colheita de grãos ou silagem.

Até 2020, a Embrapa Trigo já registrou 196 cultivares sendo 123 de trigo, 21 de cevada, 12 de triticale, 4 de aveia, 3 de centeio, 27 de soja, 3 de milho, 2 de feijão e 1 ervilha forrageira. As cultivares desenvolvidas são melhor adaptadas e resistentes a doenças, o que possibilitou a consolidação e expansão dos cultivos de cereais de inverno no País.  

A Embrapa participa do mercado de trigo de duas maneiras: por meio da geração de cultivares e do desenvolvimento de germoplasma base para os diversos programas de melhoramento em curso no País. Assim, de cada dez cultivares que estão no mercado, sete contam com germoplasma da Embrapa.

Outro importante foco de atuação na cadeia, está no desenvolvimento de soluções tecnológicas associadas ao manejo e aos sistemas de produção no inverno. A busca constante por rentabilidade na produção parte dos princípios de segurança alimentar e de sustentabilidade socioambiental.

Assista o vídeo com o chefe-geral Jorge Lemainski falando sobre os trabalhos desenvolvidos pela Embrapa Trigo clicando aqui! 

Fonte: Embrapa Trigo

Matheus Basso
Publicado por Matheus Basso

Estagiário de Jornalismo

Enviando