Agricultura

Manejo de triticale no webinar da Embrapa

13/04/2021
Manejo de triticale no webinar da Embrapa

Triticale é alternativa na alimentação animal

Fonte: Embrapa Trigo / Foto: Alfredo do Nascimento Junior

Manejo de triticale no webinar da Embrapa

Com o aumento no preço do milho, tem crescido o interesse dos produtores no cultivo do triticale, destinado principalmente à produção de forragens e na ração animal. Uma das dificuldades do produtor no cultivo do triticale está no manejo da cultura. “Desmistificando o manejo do triticale” é o tema do webinar na série MAIS LUCRO/HA, promovido pela Embrapa Trigo, no dia 15/04, no canal da Embrapa no Youtube.

O triticale é um produto direto da pesquisa, gerado a partir do cruzamento do trigo com o centeio. Nesse cruzamento, o triticale herdou o potencial de rendimento de grãos do trigo, com a rusticidade do centeio na resistência a doenças, bom desenvolvimento em baixas temperaturas, tolerância à seca e ao frio, sistema radicular profundo, além de grãos de alto valor proteico.

Na série histórica da Conab, a área de triticale no Brasil passou dos 100 mil hectares (ha) no início dos anos 2000, onde as áreas de cultivos estiveram concentradas nos estados de São Paulo e no norte do Paraná, devido a melhor adaptabilidade do triticale ao estresse hídrico, a solos ácidos e ao menor custo de produção quando comparado a outros cereais. Contudo, devido à dificuldade de comercialização, a área caiu gradualmente no País, registrando cerca de 15 mil ha em 2020.

A tendência para os próximos anos é de crescimento da área, principalmente em função dos cenários para o milho: “A maior procura por grãos de triticale ocorre em períodos em que a disponibilidade de milho é baixa ou o custo está elevado”, explica o pesquisador da Embrapa Trigo Alfredo do Nascimento Junior, destacando que “o triticale é uma alternativa com custos semelhantes ao milho na alimentação animal, que pode ser ofertada através de ração ou forragens com excelentes resultados”. Conforme estudos da Embrapa, é possível substituir o milho pelo triticale na ração de suínos em até 100% e para aves em até 85%. Na pecuária, 1kg de silagem de triticale pode produzir até 1,3 kg de leite.

Apesar do menor valor energético em comparação com o milho, o triticale apresenta teor de proteínas quase 50% superior, com 166% mais triptofano, 48% mais leucina, além de diversos aminoácidos que superam o milho. Com maior concentração de amidos e nutrientes digestivos totais, o triticale também pode substituir parte do farelo de soja na ração dos bovinos, reduzindo custos de produção.

Demanda aquecida

Todo o triticale produzido pela Sementes Scherer, com sede em Chapada, RS, já estava vendido no mês de fevereiro. Foram comercializadas 135 toneladas de sementes da cultivar BRS Saturno, visando principalmente à produção de silagem no Rio Grande do Sul. Neste ano, a previsão é aumentar a área de produção de sementes, de 50 ha para 120 ha. “Estamos recebendo muitos pedidos de SP, PR, SC e RS. Acredito que o produtor está acordando para o potencial de uso do inverno na produção de silagem”, avalia Tiago Rambo, da Sementes Scherer.

Na Relva Agrícola, de Ijuí, RS, também tem sido observada uma demanda crescente pelo triticale: “O produtor conhece o triticale como milho de inverno, como uma alternativa importante também para a melhoria de solo, com palha para cobertura e raízes profundas”, avalia o produtor Vanderlei Juswiak (veja o vídeo).

A escassez de milho abre novas oportunidades de mercado para o triticale na área de atuação da 3 Tentos, empresa com sede em Santa Bárbara do Sul, RS, onde foram produzidas 1.800 toneladas de triticale em 2020. “Acreditamos que o triticale pode ser um substituto do milho, especialmente para a composição de ração, mas o crescimento gradual depende da maior aproximação com a indústria de proteína animal”, afirma o engenheiro agrônomo Elisandro Gotardo.

Em Vila Lângaro, ao norte do Rio Grande do Sul, o produtor Mateus Lunelli de Souza, utiliza o triticale há quatro anos na produção de silagem para o rebanho leiteiro. “No ano passado faltou silagem de milho e acabei alimentando as vacas somente com silagem de triticale. Observamos que a produtividade e a qualidade do leite não diminuiu”, conta Mateus, destacando que o triticale ainda ajudou no cultivo da soja na sequência, com o solo mais solto e maior cobertura de palha para controle de invasoras. 

Novos Mercados

Estima-se que, atualmente, 25% da produção de triticale está destinada à indústria de alimentos integrais, como pães e biscoitos, com potencial de duplicar a área de cultivo da cultura na carona do marketing dos alimentos funcionais. O Brasil é o segundo maior produtor mundial de biscoitos. O triticale garante a crocância e a firmeza dos biscoitos, permitindo eliminar o uso de aditivos químicos para atingir esses atributos. A mistura para biscoitos utilizada é de 30% de farinha de triticale e 70% da farinha de trigo.

Também na produção de etanol amiláceo, o triticale aparece com opção, permitindo a exploração econômica no inverno em área marginais, recuperando solos compactados e com baixa fertilidade, com baixo custo de produção em grãos que contém até 60% de amido. Uma tonelada de grãos de triticale chega a produzir 350 litros de etanol.

Manejo

Com o fomento do cultivo na Região Sul, muitos produtores estão experimentando o triticale pela primeira vez. Apesar das semelhanças com o cultivo de outros cereais de inverno, o triticale apresenta particularidades que precisam ser observadas, seja na escolha de cultivares ou no manejo, direcionando para a produção de forragens ou para a colheita de grãos.

Para reduzir as dúvidas e estimular o cultivo, a Embrapa Trigo promove o webinar “Desmistificando o manejo do triticale”, marcado para às 19h do dia 15/04, com transmissão através do canal da Embrapa no Youtube. A apresentação será do pesquisador Alfredo do Nascimento Junior e do engenheiro agrônomo Giovani Faé.

Fonte: Embrapa Trigo

Matheus Basso
Publicado por Matheus Basso

Estagiário de Jornalismo

Enviando