Demanda compassada derrubou os preços dos ovos em março

A Destaque Rural conversou com o analista de mercado da Scot Consultoria, Felipe Fabbri, sobre o fechamento do mercado de ovos em março

Apesar da quaresma, a alta nos preços, entre janeiro e fevereiro, afugentou os consumidores em março e os preços caíram. “Esperava-se uma manutenção dos preços firmes, como vimos entre janeiro e fevereiro, porém o setor fez ajustes entre dezembro e janeiro nos plantéis de produção, que acabaram resultando nas altas observadas nos primeiros meses do ano. Só que o consumidor não aceitou bem esses preços e acabou migrando para outras proteínas, com destaque a carne de frango”, explica o zootecnista e analista de mercado da Scot Consultoria, Felipe Fabbri.

De acordo com Fabbri, os preços tiveram um recuo durante o mês de março, nas granjas a caixa com 30 dúzias de ovos em São Paulo iniciou o mês sendo cotada a R$ 114,50, e no dia 31 estava sendo negociada a R$ 106,50, o que representa uma queda de 7%. E no atacado, os preços passaram de R$ 119 na virada de mês, para R$ 111, uma queda de 6,7%. “Os ajustes vieram por conta das altas dos custos, que seguem impactando a produção, e a gente deve ter novos ajustes pelo lado da cadeia de produção, para tentar contrabalancear produção e custo nesse momento”, ressalta o especialista.

“Então a demanda na Quaresma foi bem fraca, e nós devemos ter uma retomada da demanda no curto prazo por conta do novo auxílio emergencial, um destaque principalmente para os ovos e carne de frango, pois, esse auxílio veio mais curto, então a gente não deve ter um aumento significativo no consumo de proteínas com maior preço. E essas duas proteínas devem ganhar espaço e somados aos ajustes nos plantéis de produção, que ocorrerem agora em março e comecinho de abril, isso pode resultar em novas altas com relação aos ovos”, finaliza Fabbri.

Larissa Schäfer
Publicado por Larissa Schäfer

Formada em Jornalismo pela Universidade de Passo Fundo (UPF).

Enviando