Tempo aberto deve predominar no Sul nesta semana, diz Santos

A semana começou com tempo aberto em algumas regiões do Brasil, porém algumas áreas de instabilidades ainda são vistas na metade Norte do país. “Toda a metade Sul, desde o extremo sul do Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, parte da metade sul de São Paulo e toda a região Sul do Brasil, incluindo o Paraguai, amanheceu com tempo aberto e com poucas áreas de instabilidade, com isso a segunda-feira será marcada por tempo aberto e com possibilidade de apenas eventuais pancadas de chuvas sobre o Mato Grosso do Sul, em algumas áreas de São Paulo e na região litorânea de Santa Catarina e Paraná. Já o Rio Grande do Sul permanece com tempo extremamente aberto ao longo do dia”, explica o agrometereologista da Rural Clima, Marco Antônio dos Santos.

Porém em boa parte das regiões produtoras de Rondônia, Mato Grosso, Goiás, Minas Gerais, Pará e o Matopiba a tendência de chuvas nesta segunda-feira (8). “Algumas chuvas foram observadas nesta manhã em grande parte da faixa norte do Mato Grosso e no sul do Tocantins. Já nas demais regiões do Mato Grosso a tendência é de que com a elevação da temperatura ao longo do dia, essas áreas de instabilidade ganhem força e com isso novas pancadas de chuva deverão ocorrer no Mato Grosso, Goiás e Minas Gerais. Ou seja, mais um dia complicado para a realização da colheita da soja e posterior plantio do milho safrinha, que já estão extremamente atrasados com relação ao ano passado”, alerta o especialista.

De acordo com Santos, a tendência é de uma terça-feira (9) bastante chuvosa em boa parte da região central e norte do Brasil, com pancadas de chuvas generalizadas e condições bem complicadas para a safra de soja e milho safrinha, porém para as regiões de cana-de-açúcar essas chuvas são muito boas, já que mantém o solo com bons índices de umidade apesar de não ter tanta radiação solar, mas, de certa forma, mantém uma condição muito boa tanto para cana, quanto para café.

Na faixa central e norte do país a situação das lavouras de milho ainda fica complicada nesse início de semana. “Não há uma tendência de céu extremamente aberto por vários dias consecutivos, para que o andamento das safras de soja e milho deslanchem nesse final de ciclo. Porém, há uma tendência de que as chuvas voltem a ficar em forma de pancadas a partir de quarta-feira (10), possibilitando assim uma condição melhor para colheita da soja, no entanto, ainda fica complicado para o plantio do milho safrinha já que não haverá condições para que o solo seque se fato, o que dificulta a entrada dos produtos na lavoura”, ressalta Santos.

A partir de quarta-feira (10) a previsão é de uma diminuição na chuva sobre grande parte das regiões produtoras de Rondônia, Mato Grosso, Goiás, Minas Gerais e até mesmo do Matopiba. “O problema talvez fique ainda sobre a região extremo-norte do Mato Grosso, boa parte do Pará, Tocantins, Maranhão, nordeste de Goiás e noroeste de Minas Gerais, extremo sul do oeste da Bahia que deverão ainda receber altos volumes de chuvas ao longo dessa semana, no entanto a região norte do Mato Grosso está sendo a mais prejudicada, não só pelas chuvas contínuas, mas pelos altíssimos volumes que vem ocorrendo diariamente, inundando muitas áreas e impossibilitando a realização de qualquer atividade no campo”, salienta o agrometereologista.

Mesmo com o tempo mais aberto ao longo da semana no Sul, não há tantos problemas para as lavouras, já que houveram registros de chuvas em várias áreas no Sul ao longo da semana passada. “Essa semana será marcada por tempo aberto, sem previsões de chuvas generalizadas, e a partir de quarta-feira (10) podem ocorrer eventuais pancadas de chuvas, sobre grande parte da região Sul e no Paraguai, porém muito esporádicas. Os corredores de umidade continuarão voltados para a região Centro-Norte, somente no final de semana os corredores de umidade tendem se voltar um pouco mais ao Sul. Então a segunda quinzena de março será marcada por chuvas mais generalizadas na metade Sul do país, incluindo o Paraguai, e chuvas mais irregulares na metade Norte do Brasil”, conclui Santos.

Larissa Schäfer
Publicado por Larissa Schäfer

Formada em Jornalismo pela Universidade de Passo Fundo (UPF).

Enviando