Argentina: cooperativas unem forças para exportar queijos para o Brasil

Um trabalho associativo de duas cooperativas com a Associação que as reúne permitiu finalizar a primeira exportação de queijos para o Brasil. Existe muita expectativa pela sinergia entre as entidades.

A Asociación de Cooperativas Argentinas (ACA) agregou mais uma unidade de negócios que coordena a produção primária dos produtores de leite associados a uma cooperativa de Tandil e a capacidade industrial da Cooperativa Agrícola Ganadera Arroyo Cabral, para a produção de queijos para exportação.

“É um acordo associativo entre a Cooperativa de Tandil, que chegou a obter leite de produtores da bacia de Buenos Aires, e nós fabricamos os queijos duros, enquanto a ACA financiou a exportação”, disse Jorge Oviedo, gerente da a Cooperativa de Cabral.

“Conseguimos concluir o primeiro embarque de queijos Reggianito de primeira qualidade para o Brasil”, relatou.

Um volume de 6.328.586 litros de leite foi recebido da bacia do Tandil em um período de oito meses, os quais foram destinados à produção do queijo Reggianito, produzindo um total de 11.590 formas (aproximadamente 75 mil kg), que já estão no prateleiras de supermercados brasileiros com a marca Arroyo Cabral.

A iniciativa busca que produtores de diferentes bacias possam continuar contribuindo com seu leite para o setor cooperativo, aumentando o fluxo de produção com o selo da economia social.

A este respeito, Sergio Gerez, chefe da Unidade de Negócios Especiais da Diretoria de Comércio da ACA, disse que a Associação concedeu o financiamento, que é importante para a produção de um produto que deve ser armazenado por seis meses, representando um custo significativo.

“Esta ação demonstra de fato o quão produtivo é a proximidade, o diálogo e o olhar profundo de algumas cooperativas para encontrar na integração dos processos produtivos e industriais uma forma de agregar valor e beneficiar seus associados”, disse o dirigente.

E acrescentou: “Temos não só a rede de produção, mas também a indústria cooperativa com possibilidade de produzir queijos de alta qualidade para o mercado externo. Da mesma forma, disponibilizamos conhecimento e experiência em comércio exterior, além de capacidade comercial e financeira ”.

Após os bons resultados, “a nível externo teremos de continuar desenvolvendo potenciais compradores e estabelecendo uma procura contínua de uma gama de produtos que no futuro nos permita alcançar um posicionamento de marca. A nível local, será muito importante conseguir obter as autorizações relevantes para poder oferecer uma maior variedade de produtos a mais destinos de exportação. Também será relevante trabalhar na melhoria de custos. Embora tenhamos feito esta primeira experiência com queijos duros, vemos um grande potencial em outros tipos de queijos como mussarela, queijo barra e gouda ”, concluiu Gerez.

As informações são do El Diario, traduzidas pela Equipe MilkPoint.

Redação Destaque Rural
Publicado por Redação Destaque Rural

Portal Destaque Rural

Enviando