Uruguai está produzindo mais leite em 2020, apesar da seca e da pandemia

Apesar dos obstáculos que os produtores de leite estão enfrentando diante de duas adversidades – o déficit hídrico e a pandemia de Covid-19–, a produção de leite e a captação no Uruguai cresceram 3,4% no primeiro trimestre de 2020 em relação ao mesmo período do ano passado, atingindo 559 milhões de litros.

"Tecnologias na gestão, pastagens, preparação de dietas e genética são algumas das ferramentas que o produtor de leite tem à sua disposição para melhorar seus indicadores", disse Alejandro Pérez Viazzi, diretor da Conaprole. “Um dos meios dos números não serem tão ruins é aumentar a produtividade, enviar mais litros. A tecnologia e o manejo estão melhorando a cada momento e permitem que os animais deem mais leite", disse ele.

Os dados expostos foram obtidos por meio de uma análise do Instituto Nacional do Leite (Inale). O relatório também detalhou que o envio de leite à indústria em abril de 2020 foi 5,4% superior a abril de 2019, com 143 milhões de litros.

Pérez Viazzi especificou que alguns produtores de leite que não conseguem obter melhor produtividade e têm dificuldades relacionadas ao déficit hídrico, o que os forçou a usar uma maior quantidade das reservas e de concentrado, o que "permitiu obter um maior rendimento em litros por vaca e uma maior produtividade, mas a um custo mais alto", lamentou.

Com relação ao crescimento mencionado, ele atualizou que em maio a Conaprole está com quase 10% acima em captação de leite em comparação com maio de 2019. Além disso, a cooperativa, que é a maior indústria nacional de laticínios, está 6% superior até o momento do ano e permanece no mesmo nível na comparação dos últimos 12 meses.

Um aumento "disfarçado"

"O aumento da captação (3,4%) nos primeiros três meses de 2019 responde à produção de leite de grandes fazendas leiteiras do Uruguai, como Olam ou Bulgheroni", disse Fabián Hernández, presidente da Associação dos Produtores de Leite da Flórida (APLF), que garantiu que, portanto, "o aumento é disfarçado".

Definido por uma situação de seca geral no país e ligado ao problema da pandemia de covid-19, o produtor indicou que, se fosse considerada a "produção genuína" do país, a dos pequenos produtores de leite, a captação do primeiro trimestre de 2020 teria caído.

"Deve-se entender que esse aumento é disfarçado pela produção total de Olam e Bulgheroni. A produção genuína do país é mascarada, porque, se fosse a produção genuína dos produtores, haveria menos leite no país. Então, retirando essas duas grandes empresas, a captação de leite seria menor", afirmou.

Hernández também apontou que, embora existam produtores que conseguiram passar por esse momento, dando aos animais mais alimento concentrado, a maioria "não tem capital" para enfrentar o déficit de alimentos devido à falta de pasto por causa da seca.

As informações são do El Observador, traduzidas pela Equipe MilkPoint.

Redação Destaque Rural
Publicado por Redação Destaque Rural

Portal Destaque Rural

Enviando